Reflexões do Leopardo

Reflexões do Leopardo
Reflexões do Leopardo

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Livraria

Devo começar por explicar que o título desta reflexão nada tem a ver com Livramento que foi um magnifico jogador de hóquei em patins em tempos da minha infância, dado que, hoje , notícia que não permita uma relação com o desporto é uma notícia nada-morta. O exemplo mais recente e mais caricato é o de uma corredora etíope dos 5.000 metros, Girmawit Gebrzihair - várias vezes medalhada com ouro, prata e cobre - que se apresenta com a idade cronológica de 16 anos, quando, pela aparência, todos lhe atribuem uns 40 e muitos ( medidos com generosidade... ). Olhem, se a atleta etíope tem 16 anos, eu, Leopardo, nunca passei dos 13...

Não, o título desta reflexão é inspirado num esplêndido filme "A Livraria", inspirado num romance, que nos narra a história de uma corajosa londrina que abandona a capital da terrível "loira Albion" para abrir uma pequena livraria de livros excelentes numa aldeia da costa britânica. E a história da corajosa livreira vai descontruindo, fotograma a fotograma, a falsa concepção de que a vida de uma aldeia é simples, linear, de que nela não se confrontam as ideias e as forças do Grande Capital e as dos assalariados rurais. O final encontra a sua resolução no inesperado apoio de uma menina pobre, ruiva, que inicia o seu trabalho na "Livraria" a troco de uns discutidos "shillings", até se transformar numa ardorosa militante das ideias e projectos da sua bem intencionada patroa londrina.

E já que teclo sobre películas, refiro o filme tuga sobre uma espécie de biografia rodopiando em torno de Pedro Chagas Freitas, o qual, segundo alguns comentadeiros cinéfilos da nossa praça, é candidato não sei a que Oscar, não sei em que capital ( talvez em Bollyhood... ). Ora, o filmezeco situa-se exactamente no pólo oposto ao da "Livraria" : é uma infindável hagiografia em torno do tal Freitas - que é imensamente óptimo em tudo onde se intromete, desde o futebol, até à cinefilia, passando pela escrita, folhetins, TV e outros itens que já olvidei. 
Da sessão anterior àquela a que fui saíram 10 espectadores no "top" da chateação. Eu era o único espectador da "minha sessão" e aguentei 40 heróicos minutos de uma projecção de 2 horas e carqueija... 
Ao ver tal aberração, um ser humano normal, interroga-se se é o narcisismo que ultrapassa a estultícia, se é a estultícia que oculta o narcisismo.
Apenas posso alinhar o Freitas na prateleira onde arrumo o Milhazes , o Orelhas , o Malaca Castelo do Queijo . É a prateleira onde arrumo, destinado ao pó dos séculos, os seres teratológicos desde o nascimento... 

A Polícia Internacional interroga Netanyahu o chefe de facto do Estado Sionista de Israel , disfarçado por trás de um simulado governante que todo o planeta desconhece - pela 11ª vez em investigações sobre corrupção. O que só serve para demonstrar que as investigações constituem papéis sem crédito quando um Estado tem as costas quentes do Poder Imperial sediado na Casa Branca .

Por outro lado, a República Popular da China avisa que vai responder à Guerra Comercial aberta por Washington subindo as taxas de 250 produtos chineses. E mais vinca a Rep.Pop.da China que a desnuclearização da Coreia do Norte foi um facto acompanhado pelas instâncias competentes da ONU sem reparos.
A Administração cowboy que ocupa a Sala Oval não desiste da sua política de pressão constante a nível planetário e ameaça a líder do Governo Britânico, Theresa May que as soluções por ela avançadas vão "matar" o acordo económico subjacente com os EUA . 
O ideário e as posturas políticas concretas, assumidamente neonazis, dos actuais mandantes em Washington são de tal forma anti-humanas, que já serviram ao multimilionário Obama  para ensaiar melhorar a sua face "democrática", numa digressão pela Europa ( que os Europeus pagaram na íntegra com juros elevados... ), na qual representou a actuação da sua própria Administração muito retocada e repleta de "blush" ( que não foi flor que se cheirasse em termos de políticas belicistas e armamentistas ) através de piadolas indirectas aos aspectos mais gravosos da Administração Trampas.

No Norte de Moçambique a Polícia moçambicana reforça o controlo dos moçambicanos, o que não surpreende ninguém, dado que esta região era a área predilecta do terrorismo da Renamo , cujo chefe, Afonso Dlakhama foi recentemente enterrado com honras de chefe de Estado. Ou seja, as forças e o ideário do Capitalismo Internacional vão, passo a passo, tomando conta das gentes moçambicanas para lhes sacar as minas de carbono, os metais raros que o subsolo tem revelado possuir, o petróleo do "offshore" e o peixe e mariscos que nadam nos seus mares. 


Resultado de imagem para fotos da atleta etíope Girmawit Gebrzihair Resultado de imagem para fotos da líder do Governo Britânico, Theresa May

 Resultado de imagem para fotos recentes de Barack Obama Resultado de imagem para fotos ou imagens do filme "A Livraria"

Resultado de imagem para fotos ou imagens do filme "a livraria"


Tinha ainda muito mais matéria fecal para colocar a descoberto,

porém, o cheiro é nauseabundo,

e até um humílimo escriba de blogue tem direito a umas pausas.

Saudações fraternas do

Leopardo   


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Os Mercenários da Cultura

Mal deixei transpirar para uns poucos Amigos escolhidos o tema da presente reflexão encontrei de imediato objecções: "que não, que não era possível entre gente profissional do Teatro tropeçar em pessoas que não compreendessem a relação ancestral - desde os tragediógrafos e comediógrafos gregos - entre a política e o teatro, entre a necessidade visceral dos homens de Teatro ( o Teatro era vedado às mulheres - a menos que fossem Vestais - , destinadas às tarefas caseiras, a procriarem ou satisfazerem as necessidades viris como rameiras... ) questionarem a Política, ou seja, questionarem a forma de se organizarem e viverem na "Polis" ( nas Cidades, por oposição ao Campo - "Agros" - , forma mais grosseira de viver, para onde eram empurrados os não-cidadãos ).
Depois destas objecções de pessoas cujas opiniões respeito, tabaqueei as matérias, deixei o fumo envolver-me, esperei que Zeus ou Manitú me inspirassem a sinuosa vereda da Verdade.
Os Deuses, do alto das neves eternas, tutelados por mochos, corujas, águias e falcões, assopraram-me: "Conta-lhes a tua experiência ...".
Conselhos de Deuses não se recebem todos os dias nem se podem pôr de lado como nicânsias, não vão os Fados aziagos perseguirem-nos o resto da terrena existência. Eis, pois, o que entendi dos Conselhos Celestes.

Há bem pouco, no magnífico Festival de Teatro Almada, após ter pronunciado, para um actor em ascensão do TMJB,  afirmação menos abonatória acerca da actual Presidente da Câmara de Almada ( estava a linda Inês posta em sossego lá nos seus Parises, quando as tortuosidades das manipulações xuxialistas e, decerto, ambições individuais a puseram à frente de uma gestão camarária da qual não percebe nikles batatóides... ). Fui interrompido bruscamente pelo tal actor, o qual me disparou rudemente que "não misturava o teatro com politiquices de meia-tijela, que o seu dever era sustentar os dois filhos" virando-me de súbito as costas e acrescentando que não me admitia mais reparos !...
Só tive tempo de o contrabater, gritando que ele acabara de pronunciar uma declaração perfeita de Mercenarismo Cultural , declaração que tanto podia vestir os trajes de um actor como uma farda camuflada da NATO , e que amigos não ficávamos de certeza, nem eu perderia mais tempo a enviar-lhe informações ou reflexões minhas.

Como, lamentavelmente, a grosseria tem vindo a manchar o currículo da actual Direcção do TMJB - que não é merecedora do legado de Joaquim Benite - ( a menos que me seja dirigida exclusivamente a mim e, então, entendê-la-ei como um elogio aos que assumem a coragem de discordar dos seus neurónios "iluminados" ) interrogo-me a mim próprio se deverei passar a ir  armado ao Festival ( umas armas que me sobraram de guerras idas e que vou mantendo oleadas, pelo sim, pelo sim... ).

Nos entretantos, assisti a mais um espectáculo de excepção: "Lilliam" do Théâtre Gérard Philipe ( nome lendário do cinema francês, que reunia na mesma pessoa um dos melhores actores  gauleses de sempre e um belo galã ). "Lilliam" funde numa representação assombrosa, de uma precisão de relógio suíço, um panfleto político comprometido com um Futuro Solidário, Socialista, com situações de palco tragicó-cómicas que nunca consegui antecipar como as resolveriam !... É curioso que, tal como alguns dos tais Amigos com os quais uso trocar opiniões, a peça, inicialmente, parecia-me ir-se perder nuns rodriguinhos de lençóis, cuecas, beijocas e apenas gradualmente foi revelando a sua amplitude política... 

E assisti a um espectáculo suficiente: "Philip Seymour Hoffman, por exemplo" da Companhia belga Transquinquenal. Como é bem conhecido nos meios cinéfilos, Philip Seymour Hoffman distinguiu-se como um dos maiores actores norte-americanos - nomeadamente no filme em que representou Truman Capote - , o qual se suicidou em 2014 consumido pela droga ou por angústias insanáveis.
Nesta peça - com um desempenho notabilíssimo de 5 actores ( duas mulheres e três homens, a representarem seis personagens ; os quais denominei de "o quinteto era de cordas", pois apenas a meio do espectáculo consegui entender que as mulheres eram só duas... ) - sucedeu exactamente o oposto: partindo da temática actualíssima na qual a personalidade dos cidadãos comuns é determinada pelos Meios de Comunicação, a peça afunda-se numa contradição derradeira , na qual a Realidade a acontecer esmaga todas as personalidades manipuladas. 

De qualquer forma o Mercenarismo Cultural deixa sempre no âmago de uma consciência sedenta de um mundo melhor o bafio sórdido dos que perderam o rasto de qualquer moralidade, regressando à idade das grutas e dos concheiros, lutando somente pela sobrevivência "tout court". É um facto que na crista das guerras coloniais do século XX, alguns mercenários de farda camuflada teclaram uns livrecos ( ou alguém os teclou por eles...) que tiveram a sua fortuna. Ler um era ler todos: traçavam a hagiografia de uma paz dos cemitérios, de uma paz de mil anos, dos sarcófagos dos vampiros.

Portantos, portantos, quedêmo-nos "aujourd'hui" nesta esquina, não vão as angústias de Philip Seymour Hoffman tomar-nos de assalto por dentro.        


Resultado de imagem para fotos das peças do Festival de Teatro de Almada Resultado de imagem para fotos das peças do Festival de Teatro de Almada
                                                   Resultado de imagem para Fotos de Philip Seymour Hoffman


Saudações aciduladas, mas confiantes do

Leopardo

segunda-feira, 9 de julho de 2018

A Estreita Fronteira de Demarcação entre a Arte e as Técnicas Profissionais de Replicar

O magnífico Festival de Teatro de Almada, levado a cabo pelo Teatro Municipal Joaquim Benite/TMJB ( embora com muito menos apoios financeiros da actual Presidente da Câmara - tava a linda Inês posta em sossego lá nos seus Parises... ) , continua a apresentar um elenco de peças prometedor dos maiores entusiasmos.
Após abrir o Festival com a reposição da peça premiada no ano anterior - "Apre", peça da Companhia Francesa "Le Fils du Grand Réseau" - obra de dois actores e uma actriz encantadora que nos deixou de novo de queixos descaídos de admiração, no segundo dia brindou-nos com as peças "Lulu" e com "Kalakuta Republik" , a confrontação das quais provocam a minha presente reflexão.

"Kalakuta Republik" , da Companhia oriunda originalmente de África , "Faso Danse Théatre" , peça para três bailarinas ( duas negras, uma branca ) e quatro actores ( todos negros ) , agarrou a enorme plateia ao ar livre da Escola D. António da Costa ( mil e muitos lugares ) desde os primeiros minutos, num ritmo infernal de duas horas e tanto, onde se acendiam e apagavam para se reacenderem outra vez o desejo, a sedução, a raiva, o ódio, a violência, o exigir de um mundo novo, mais justo, um mundo solidário, um mundo Socialista. 
"Kalakuta Republik" é bastante uma dança - que cruza as raízes de uma África negra com bailado moderno europeu - mas , que não recusa a representação, o uso dos gritos selvagens, os voos dos homens em ânsias de libertação. Os corpos simulam comer-se a si próprios e uns aos outros no sacrifício supremo de ultrapassar as barreiras que os tolhem.
Em certo sentido é um panfleto político, que nunca parece sê-lo e que sempre nos surpreende pela resolução dos conflitos representados no palco. Os cenários, minimalistas, sobrepõem a pobreza das cidades africanas actuais aos rastos sangrentos das guerras que têm devastado África faz décadas.
É simples de descrever num texto, exige um exercício de criatividade impossível para mim de concebê-lo e figurá-lo num palco .

Confrontado com "Lulu" que se me oferece dizer ? "Lulu" é uma peça, com um elenco numeroso de actores e actrizes - muito centrado nos corpos desejáveis de duas delas - encenada por Nuno M Cardoso, saído de um "círculo teatral alternativo do Porto", que utiliza uma parafernália de recursos técnicos abundantes: simulação de dois palcos no mesmo palco, miscigenação de canto, dança e declamação, uso variegado de diferentes iluminações.
É igualmente um panfleto político ( no que não vejo mal nenhum, pois, desde Sófocles , Eurípedes, Ésquilo , se o teatro não problematiza a política, fala de quê ?... ). O que eu considero de menos acertado nesta peça, é que é um panfleto político, nunca nos deixa esquecer que o é... e é facilmente previsível. É claro que se sente tratar-se de um grupo profissional de actores e encenador. Uma equipa de amadores, por mais dotados, não levaria a obra a cabo. Porém, aquele "quantum satis" de sal imaginativo - mui provavelmente impossível de definir - não está lá. Admito, com Mário de Carvalho, que "quem disser o contrário é porque tem razão".

E antes que esta reflexão resvale para níveis de amargura e violência desgostantes até de teclar ( já que terei de os expurgar em nova reflexão... ) hoje, fecho por aqui.   


Resultado de imagem para fotos recentes da peça teatral francesa "Apre"Resultado de imagem para fotos recentes da peça "Kalakuta Republik" Resultado de imagem para fotos da peça "Lulu" de Nuno M Cardoso


Saudações fraternas do

Leopardo

quinta-feira, 5 de julho de 2018

O Sumane e o Everest

O Sumane é meu Amigo e o "Everest" é o restaurante que ele gere em parceria com a esposa. O restaurante fica mesmo ao lado da igreja da Av.da Igreja, em Lisboa e serve uma excelente comida nepalesa e indiana. Serve também comida italiana, mas ele nunca me deixa comê-la, diz que eu fico melhor com qualquer das outras comidas ! Acabo quase sempre a comer um borrego num molho alaranjado, meio picante, com uma travessa de arroz basmati, acompanhado por "nan" com "garlic", regado com meia garrafa de um belo vinho português, finalizando com bebinca, café e, por vezes, uma "crf", pela módica quantia de uns 16 €uros.
                                                                                                                                                              Ele e a esposa ( nunca "mulher" ... ) emigraram os dois lá do Nepal  para montar este negócio de iguarias. O "Everest" costuma estar cheio, a transbordar para o passeio junto à porta ( talvez uns 70 lugares, repletos de uma rapaziada de todas as idades que discutem tudo desde o futebolês às suas vidas pessoais ).
Aliás, a nossa amizade iniciou-se justamente porque somos ambos do Benfica ( ele bem mais faccioso do que eu !... ) , indo eu lá televisar umas futeboladas enquanto manjava. Insiste reiteradamente em que eu leve a minha "wife" ( pouco "speaka" do idioma luso, expressando-se numa algarviada onde predomina o "english" ). O Sumane ( invenção dele onde amálgama a palavra "super-homem" - ele que é pequenino, magrinho, encimado por uma estopa  negra que mais semelham pregos espetados no crânio - todavia, cuja fonia dá uns laivos do seu nome em nepalês ) ciranda numa dança de terrinas, garrafas de "bejecas", "finos", garrafas de vinho, coca-colas, jarros de sangria, pequenas belas conchas de cobre aquecidas por lamparinas. As paredes ostentam umas pinturas do Everest e do Nepal para estéticas não mui imbuídas de Columbanos, Almadas Negreiros,  Níkias Skapinakis... 

Tenho-lhe perguntado se não sente saudades do rincão natal. Que vai lá todos os anos cuidar da mãe... E, depois, a sua terra é sempre a sua terra. O seu amor maior em Portugal, a seguir ao restaurante e à "wife" , decerto que é o Benfica ! Ainda terei de comprar duas cadeiras razoáveis para irmos ver "in loco" O Glorioso... Julgo que o Sumane me conquistou definitivamente pelo seu amores às distantes Pátria e madre. 

Resultado de imagem para fotos do restaurante Everest na Av. da Igreja em Lisboa Resultado de imagem para fotos do restaurante everest na av. da igreja em lisboa  Resultado de imagem para fotos do restaurante everest na av. da igreja em lisboa Resultado de imagem para fotos do restaurante everest na av. da igreja em lisboa


Entretanto, no planeta, a Administração assumidamente neonazi Trampas dá um puxão de orelhas à Europa dos Patrões por esta não gastar o suficiente em armamento sofisticado "cowboy" e, por esta forma inconsistente de encarar os problemas da "defesa", diminuir a credibilidade de "persuasão" da NATO/Pentágono/CIA  . Porém, a Europa da "gauleiter" Merkel , depois de uns arreganhos de dissidência "inter pares", abanou orelhas concordantes e tornou a bater a bolinha baixo.

Sua Excelência Excelentíssima, o Senhor do Martelinho Tuga incha o peito esquálido de jactâncias - após ter simulado, servil e obsequioso, que tinha umas opiniões diferentes do "clown" Trampas acerca dos "emigrantes" ( e não dos fugidos da guerra, que é o que os desgraçados são ! ) - e declara tonitruante que no final do Ano receberá em Portugal  o seu homólogo, o Presidente da República Popular da China . O País Luso que não se guia apenas pelo Facebook e pelos meios de Comunicação do tio Balsemão ri-se à fartazana da pretensa homologância. Digamos que são as malhas que o narcisismo ou o Alzheimar tecem...

O BE , naquele saltitar pipilante das mentes ditas "vanguardistas", defende a manutenção das refeições escolares do Ensino Público nas manitas das empresas privadas, o que elas, atentas, e raras vezes mãos-largas, recompensarão atempadamente...

Um jardineiro da minha adorada vila de Caminha - José António Rosário Godinho, nato faz 56 anos -  estava de baixa há 6 anos por sofrer de um cancro linfático. A Caixa Geral de Depósitos, patroa do jardineiro, considerou um exagero ( mesmo para um cancro linfático... ), indeferiu o pedido de aposentação do trabalhador, obrigando-o a voltar ao serviço. E, uma semana após ter sido considerado apto para todo o labor, o José Godinho faleceu !...
Que os deuses me perdoem - sobretudo os de Caminha, que são mais antigos que a própria Nação... - mas o diabo do jardineiro, senhor José Godinho, devia possuir um feitiozinho rebelde, contrariador, e tudo tramou para deixar ficar mal a CGD... De qualquer forma e por mor das dúvidas, apresento no meu blogue as minhas sinceras condolências à família.    

Em 14 horas Brilho de Cascalho mudou de postura, asseverando que vai impugnar a Assembleia Geral do Sporting que o destituiu e asseverando ainda que continua a ser o Presidente da SAD. Obviamente o fulano imagina que o País é parvo e goza com ele...
tqqueaceE
Aos 85 anos, morreu Afonso Cautela, jornalista e poeta de mérito, que foi o fundador do Movimento Ecológico. Daqui envio sentidos pêsames à família, garantindo que a luta dele é património nacional.

Mas, então, a minha voz é somente uma voz do bota-abaixismo, só têm ocorrido desgraças no viver pátrio ? Nã senhora, nem tudo !

O facto de ter sido facilitada a licença de caça aos javalis, fez disparar a compra de carabinas de caça grossa, aumentando a caça aos javalis e veados, diminuindo a caça aos coelhos e perdizes, coisas que os armeiros, os restaurantes algarvios e eu próprio agradeço ( dado que aprecio bastante a carne  destes porcos selvagens - pouco amigos de confraternizações à sua custa - e de "patées", ficando na expectativa de que cheguem à minha mesa... ).

Portugal terminou a sua estreia nos Jogos do Mediterrâneo com 24 medalhas, entre elas medalhas de atletas paraolímpicos.

A FenProfe , intérprete coerente dos professores, torna público que quem tem faltado às reuniões é o Ministério da Educação, que a greve às avaliações se situou muito acima dos 90 % e que a luta vai continuar .

Os trabalhadores da CGD de França vão recorrer da decisão do Tribunal Arbitral e garantem não esmorecer se não virem os seus direitos satisfeitos.

Sobretudo pela pressão do PCP, o Governo do Sub-Chefe Costa , através do Ministério da Administração Interna/MAI ordenou um inquérito à actuação da Polícia de Segurança Pública no caso da agressão bárbara à jovem luso-colombiana por um energúmeno motorista de um transporte público.

A CGTP-IN, verdadeira e legítima representante dos Trabalhadores Portugueses promove uma Concentração junto ao Palácio de São Bento contra o acordo de "concertação social" cozinhado pelo PS em coligação mafiosa com o psd, o kds-pópó , essa extracção lepenista de feira da ladra, e a UGT , eco servil do patronato. A CGTP-IN garante que a luta vai prosseguir.

Na próxima edição do meu blogue continuarei a lembrar os meus Amigos, cuja existência tanto alento me dão.
Hoje, nomearei apenas os Franciosi que não saem nunca do âmago do meu coração, o Marcelino e a sua procura de uma exactidão absoluta, inatingível ( não, não é o Marcelino do "Marcelino Pão e Vinho" , jovem mexicano simpático de tempos idos, o qual assumiu posturas progressistas no seu País ) e envio, por fim, um grande abraço para o Camilo ( também não é o Cienfuentes , camarada de luta do Fidel e do Guevara ) e para o Oliveira ( nada, não é das relações da Oliveira Sagrada de Fátima nem das manas Lúcias ), abraço sobretudo para Lhes contar que o "meu" falcão retornou ao parapeito da minha janela ! Coloquei no estreito parapeito um bocado de bife do lombo e desapareceu num ápice !... Mas, o gajo nem me cumprimentou... O tempo que terei de empregar para lhe ensinar que com os compinchas a malta não se comporta assim !...

Resultado de imagem para fotos ou imagens da República Popular da China Resultado de imagem para fotos ou imagens da Vila de Caminha



Saudações fraternas e animadas do

Leopardo